A nova classificação das crises epilépticas e sua importância na prática clínica - estrutura geral, terminologia e importância prática das mudanças

Resumo da palestra proferida pelo Dr. André Palmini no Congresso Brasileiro de Neurologia

Classificações são como eclosões de gêiseres: após longo tempo de ‘ebulição’ em que profissionais vão acumulando e trocando experiências, cria-se um consenso informal que ‘eclode’ em uma proposta formal de classificação. Assim, a International League Against Epilepsy (ILAE) recentemente publicou a nova classificação das crises epilépticas, quase 40 anos depois da anterior, de 1981.