A nova era para o tratamento de pacientes pediátricos com esclerose múltipla

A Esclerose Múltipla (EM), em crianças, corresponde a 7%-10% do total de casos na população. Entretanto, apesar de menos frequente, ela é mais inflamatória e ativa que em adultos, possui altas taxas de recorrência e pode levar à deterioração cognitiva precoce e progressiva. Apesar da gravidade, até recentemente a falta de dados de segurança e eficácia dos tratamentos disponíveis limitava o tratamento deste grupo de pacientes.