Estudo comparativo internacional dos desfechos após traumatismo craniano

Princípios

  • Os achados deste estudo sugerem que indivíduos com traumatismo craniano moderado a grave na Austrália são mais propensos a se casarem e viverem de forma independente (um e dois anos após a lesão) e mais propensos a serem empregados (dois anos após a lesão) em comparação àqueles nos EUA.

Por que isso importa

  • Desde os anos de 1980, dois estudos acompanharam indivíduos com traumatismo craniano de moderado a grave, incluindo o Banco de Dados Nacional do Sistema Modelo de Traumatismo Craniano (Traumatic Brain Injury Model Systems, TBIMS) nos EUA e o Longitudinal Head Injury Outcome Study (limitado a pessoas feridas em acidentes com veículos motorizados) pelo Monash Epworth Rehabilitation Research Centre (MERRC) na Austrália.

  • Após a alta da reabilitação aguda, os pacientes de ambos bancos de dados recebem acesso a monitoramento médico contínuo, terapias pós-agudas e suporte adicional.

  • Este estudo fornece uma percepção sobre as diferenças nos desfechos das coortes dos bancos de dados TBIMS e MERRC um e dois anos após a lesão.