Associações entre obesidade e alterações estruturais encefálicas em indivíduos com esclerose múltipla

Princípios

  • Em um estudo com mais de 3.000 pessoas com esclerose múltipla (EM), não houve correlações clinicamente significativas entre a obesidade (índice de massa corporal [IMC]) e resultados da ressonância magnética (RM).

Por que isso importa

    Embora tenha sido definido que a obesidade agrava a inflamação central na EM, este estudo indica que há uma contribuição mínima da obesidade nas alterações encefálicas daqueles com EM.