Associações entre obesidade e alterações estruturais encefálicas em indivíduos com esclerose múltipla

Princípios

  • Em um estudo com mais de 3.000 pessoas com esclerose múltipla (EM), não houve correlações clinicamente significativas entre a obesidade (índice de massa corporal [IMC]) e resultados da ressonância magnética (RM).

Por que isso importa

    Embora tenha sido definido que a obesidade agrava a inflamação central na EM, este estudo indica que há uma contribuição mínima da obesidade nas alterações encefálicas daqueles com EM.

A International Medical Press é um fornecedor global de educação médica independente. Sua missão é fornecer aos profissionais de saúde informações médicas confiáveis de alta qualidade, com o objetivo de ajudar a otimizar o tratamento dos pacientes.

A International Medical Press não assume responsabilidade por quaisquer lesões e/ou danos a pessoas ou propriedade decorrentes de negligência ou de outra razão, nem por qualquer uso ou operação de quaisquer métodos, produtos, instruções ou ideias contidos neste material. Devido aos rápidos avanços nas ciências médicas, a International Medical Press recomenda que seja feita a verificação independente de diagnósticos e dosagens do medicamento. As opiniões expressas não refletem as opiniões da International Medical Press ou do patrocinador. A International Medical Press não assume responsabilidade por qualquer material contido neste documento.