Biossensores: qual é o papel no tratamento da EM?

Em uma sessão no ECTRIMS 2021, pesquisadores discutiram o papel dos biossensores nos cuidados clínicos de pacientes com esclerose múltipla (EM) e destacaram os desafios atuais.

“A pandemia de COVID-19 acelerou a necessidade de biossensores domiciliares”, disse a professora Tanuja Chitnis da Universidade de Harvard (Harvard University) em Boston, em Massachusetts, nos EUA.

“Aproximadamente 50% a 90% de nossos pacientes foram monitorados por telessaúde durante o pico da pandemia. Isso tornou difícil avaliar as medições neurológicas e a incapacidade. Então, precisamos avaliar o estado clínico e monitorar a progressão da doença de uma forma indireta.”