Biomarcadores séricos para diferenciação de acidente vascular encefálico isquêmico e hemorragia intracerebral

Princípios

  • Um painel de biomarcadores séricos, incluindo proteína glial fibrilar ácida (glial fibrillary acid protein , GFAP), proteína de ligação ao retinol 4 (retinol binding protein 4, RBP-4) e porção N-terminal do pró-hormônio do peptídeo natriurético do tipo B (N-terminal pro B-type natriuretic peptide, NT-proBNP), coletado em pacientes com suspeita de acidente vascular encefálico (AVE) pode ser útil para avaliar rapidamente se a terapia trombolítica é necessária antes da hospitalização.

Por que isso importa

  • A trombólise intravenosa com ativador de plasminogênio tecidual (tissue plasminogen activator, tPA) recombinante e a trombectomia mecânica são terapias trombolíticas destinadas a recanalizar os vasos sanguíneos cerebrais em indivíduos com AVE isquêmico agudo.

  • O início precoce da trombólise (até 90 minutos da instalação) está associado à redução significativa da incapacidade funcional. No entanto é necessária uma tomografia computadorizada para descartar hemorragia intracerebral antes que a trombólise possa ser realizada.

  • Há evidências que sugerem que biomarcadores séricos conseguem identificar rapidamente indivíduos com AVE isquêmico quem facilitem a recanalização mais rápida e melhorar os resultados.