Níveis de neurofilamento de cadeia leve no líquido cefalorraquidiano são um marcador da atividade da doença na esclerose múltipla

Princípios

  • Lesões por esclerose múltipla na substância branca contendo micróglia/macrófagos espumosos carregados de lipídios apresentam lesão axonal aguda elevada, que se correlaciona com o aumento dos níveis de neurofilamento de cadeia leve no líquido cefalorraquidiano.

Por que isso importa

  • Embora os níveis de neurofilamento de cadeia leve sejam usados como indicadores gerais ou preditores de lesão neuronal em distúrbios neurológicos, seu papel na esclerose múltipla requer mais esclarecimentos.

  • Essa análise neuropatológica quantitativa exclusiva de uma grande coorte de necropsias de esclerose múltipla demonstra a viabilidade dos níveis de neurofilamento de cadeia leve no líquido cefalorraquidiano como um biomarcador para monitoramento da atividade de lesão inflamatória desmielinizante com dano axonal.