Uso de microvesículas circulantes para previsão de desfechos cardiovasculares pós-AVE

Princípios

  • Altos níveis de microvesículas endoteliais (MVEs) circulantes e microvesículas derivadas de plaquetas (MVPs) na fase aguda após um AVE isquêmico podem ser um biomarcador do risco de longo prazo de AVE recorrente, infarto do miocárdio ou mortalidade por todas as causas.

Por que isso importa

  • Microvesículas circulantes são eliminadas na corrente sanguínea por diferentes tipos de células em resposta à inflamação. Por exemplo, a MVE circulante é liberada por células endoteliais inflamadas dos vasos sanguíneos e são biomarcadores de disfunção endotelial. Acredita-se que as microvesículas circulantes podem ser usadas para prever o risco cardiovascular.

  • Os níveis de MVE estão associados à gravidade do AVE e ao volume da lesão no AVE isquêmico e outros tipos de microvesículas; por exemplo, aquelas derivadas de plaquetas e monocíticas aumentam na fase aguda pós-AVE.