Como tratar a epilepsia em países de baixa e média renda: modelos de atenção primária baseados na comunidade

Aproximadamente 50 milhões de pessoas vivem com epilepsia, havendo um predomínio de sua incidência nos países de baixa renda, previamente denominados de subdesenvolvidos (low-income countries).

Nota-se, ainda, que mesmo nos países desenvolvidos, como no Reino Unido, a incidência de epilepsia é maior nas regiões mais pobres. Desta forma, embora a epilepsia seja uma condição universal, ela ocorre com maior frequência nas classes menos favorecidas.