COVID-19 em pacientes com esclerose múltipla, de um centro de tratamento em Barcelona

Princípios

  • Indivíduos com esclerose múltipla (EM) exibem incidência, fatores de risco e resultados para COVID-19 semelhantes à população geral, com um risco potencialmente maior de doença e menores taxas de soroconversão entre aqueles que recebem terapia anti-CD20 de longo prazo.

Por que isso importa

    A região da Catalunha, na Espanha, sofreu uma incidência significativa de COVID-19. Em geral, indivíduos com EM que recebem terapias modificadoras da doença (disease-modifying therapies, DMTs) têm maior risco de infecção e mortalidade relacionada à infecção do que indivíduos saudáveis. No entanto, também é possível que a terapia imunossupressora possa ser benéfica na COVID-19. Ainda não está claro como o diagnóstico de EM e a prescrição de DMTs específicas podem afetar o risco e o resultado da COVID-19.