Diagnóstico de DP por visualização do nigrossomo-1: qual modalidade de imagem deve ser usada?

Considerando uma taxa de diagnóstico incorreto de aproximadamente 20% na doença de Parkinson (DP), especialmente em estágios iniciais, são necessários biomarcadores de imagem para aumentar a precisão do diagnóstico clínico.

Um grupo de pesquisa da Clínica Universidad de Navarra, em Madri, Espanha, comparou imagens de ressonância magnética de 3T ponderada em suscetibilidade (susceptibility-weighted magnetic resonance imaging, SW-MRI) da substância negra e tomografia por emissão de pósitrons (positron emission tomography, PET) do estriado com 18F‐DOPA para visualização do biomarcador nigrossomo-1 em dois grupos: