Estabelecer o possível papel da IA no tratamento de AVE agudo

Em uma palestra no AOCN 2021, o Prof. David Liebeskind da Universidade da Califórnia em Los Angeles (University of California Los Angeles, UCLA), na Califórnia, nos EUA, discutiu a promessa e as limitações de integrar inteligência artificial (IA) no tratamento de AVE agudo.

O Prof. Liebeskind destacou algumas ressalvas importantes, incluindo evitar a simplificação excessiva. “No AVE, tentamos tornar as coisas o mais simples possível para desenvolver protocolos, diretrizes e declarações de consenso sobre como devemos tratar os pacientes de um caso ao outro. No entanto, isso não é tão fácil porque o AVE é um problema complexo e cada caso é um pouco diferente”.