Avaliação da neuroestimulação no tratamento da epilepsia fármaco resistente

Em uma palestra de encerramento no AOCN (Asian Oceanian Congress of Neurology [Congresso de neurologia da Ásia e Oceania]) 2021, o professor Seung-Bong Hong, diretor do centro de epilepsia do centro médico Samsung (Samsung Medical Center) em Seul, Coreia do Sul, apresentou uma visão geral do papel da neuroestimulação no tratamento da epilepsia fármaco resistente.

O Prof. Hong começou observando que, embora existam atualmente 24 medicamentos disponíveis para o tratamento da epilepsia, “35% dos pacientes não são controlados pelos fármacos antiepilépticos existentes”. Para pacientes que não podem realizar cirurgia e não são controlados pela politerapia, a neuromodulação é uma opção.

“As indicações de neuroestimulação para o tratamento da epilepsia incluem zonas multifocais de início de crises, não localização da zona epileptogênica e pacientes que não obtiveram sucesso na cirurgia”, ele afirmou.