Como o big data pode mudar a prática clínica em epilepsia?

Na AES 2021, o professor Brian Litt da Universidade da Pensilvânia (University of Pennsylvania) na Filadélfia, Pensilvânia, EUA, defendeu a expansão do uso de big data na pesquisa e no tratamento da epilepsia.

Uma abordagem baseada em dados pode coletar grandes quantidades de dados brutos e não estruturados, de acordo com o prof. Litt. Os dados podem ser coletados rapidamente e em um sistema em constante evolução.