Ultrassom muscular é superior à RM na detecção de alterações precoces nas distrofias relacionadas ao COL6

Novas descobertas apresentadas no congresso virtual WMS 2021 destacaram a viabilidade do uso de ultrassom muscular (US) como um biomarcador não invasivo de progressão da doença na distrofia muscular relacionada ao COL6 (COL6-RD).

De acordo com a Dra. Safoora Syeda da Seção de Distúrbios Neuromusculares e Neurogenéticos da Infância, dos Institutos Nacionais de Saúde, Bethesda, Maryland, EUA, os ultrassons musculares são mais sensíveis na detecção de alterações precoces em pacientes mais jovens com distrofia muscular congênita em comparação à RM muscular.