Avaliação do desempenho da UMSARS

Pesquisadores identificaram possíveis efeitos chão e teto com o uso da escala unificada de avaliação da atrofia de múltiplos sistemas (unified multiple system atrophy rating scale, UMSARS), que poderiam ter implicações importantes para o planejamento de ensaios clínicos.

O Dr. Miguel Pérez, da Faculdade de Medicina da Universidade de Nova York (NYU School of Medicine) em Nova York, EUA, declarou que estudos anteriores indicaram uma ampla variabilidade na progressão da doença, conforme medido pela UMSARS: taxas informadas, de um ano, variaram de 3,9 a 6,5 na UMSARS-I, e de 3,6 a 8,2 na UMSARS-II.

O Dr. Pérez e colegas levantaram a hipótese de que essa variabilidade poderia ocorrer em virtude de diferenças na gravidade no momento do recrutamento e um possível efeito teto na escala de classificação: o agravamento pode parecer menor em pacientes em estágios mais avançados.