Plasma p-tau217 detecta DA com alta precisão

Novos dados relatados na AAIC 2020 sugerem que o biomarcador sanguíneo p-tau217 pode, potencialmente, detectar alterações no cérebro 20 anos antes do surgimento dos sintomas da demência. Se confirmados em estudos posteriores, os achados podem levar a um simples exame de sangue precoce para a doença de Alzheimer (DA), indicando um metabolismo anormal da tau no cérebro.

Pesquisadores da Universidade de Lund, Suécia, e outros centros na Colômbia, Suécia e nos EUA, avaliaram o plasma p-tau217 e o plasma p-tau181 (identificado como um biomarcador promissor em estudos anteriores) em três coortes, com um total de 1.438 participantes (incluindo sujeitos com cognição perfeita e pacientes clinicamente diagnosticados com comprometimento cognitivo leve, demência por DA e outras doenças neurodegenerativas não relacionadas à DA).