Estudo destaca benefícios do tratamento antiepiléptico preventivo em bebês com CET

O tratamento antiepiléptico preventivo em bebês com complexo de esclerose tuberosa (CET) modifica a história natural da epilepsia, reduzindo o risco e a gravidade, de acordo com novos achados de estudo.

Cerca de 70 a 90% das crianças com CET desenvolvem epilepsia, que é frequentemente resistente à medicação. No estudo multicêntrico EPISTOP, pesquisadores compararam a eficácia e a segurança do tratamento antiepiléptico preventivo versus tratamento convencional em bebês com CET.

Em apresentação na ICNA/CNS 2020, a Dra. Katarzyna Kotulska-Jozwiak do Children’s Memorial Health Institute, em Varsóvia, na Polônia, relatou que 94 bebês com CET sem histórico de crises epilépticas foram acompanhados até os 2 anos de idade com vídeo EEG mensal.

Eles receberam tratamento antiepiléptico com vigabatrina como tratamento convencional (iniciado após o primeiro registro eletrográfico de crise epiléptica clínica) ou preventivamente (em caso de atividade epileptiforme no EEG antes da detecção de crises epilépticas clinicas).

A Ology Medical Education é uma fornecedora global de educação médica independente. Sua missão é fornecer aos profissionais de saúde informações médicas confiáveis de alta qualidade, com o objetivo de ajudar a otimizar o tratamento dos pacientes.

A Ology Medical Education não assume responsabilidade por quaisquer lesões e/ou danos a pessoas ou propriedade decorrentes de negligência ou de outra razão, nem por qualquer uso ou operação de quaisquer métodos, produtos, instruções ou ideias contidos neste material. Devido aos rápidos avanços nas ciências médicas, a Ology Medical Education recomenda que deva ser feita a verificação independente de diagnósticos e dosagens do medicamento. As opiniões expressas não refletem as opiniões da Ology Medical Education ou do patrocinador. A Ology Medical Education não assume responsabilidade por qualquer material contido neste documento.