Testes para distúrbio associado à MOG associados a uma taxa de 28% de falso-positivos

O teste para autoanticorpos contra a glicoproteína da mielina de oligodendrócitos (myelin oligodendrocyte glycoprotein, MOG-IgG) para distúrbio associado à MOG (MOG-associated disorder, MOGAD) foi associado a uma alta taxa de falso-positivos, afirmam os pesquisadores.

A MOGAD é uma doença desmielinizante caracterizada por neurite óptica aguda, mielite e disfunção cerebral ou do tronco cerebral, disse o Dr. Elia Sechi da Clínica Mayo (Mayo Clinic) em Rochester, Minnesota, EUA.

“A positividade para MOG-IgG avaliada por ensaios baseados em células vivas é extremamente específica e confirma o diagnóstico de MOGAD quando acompanhada pelo fenótipo clínico correto”, ele declarou. “Entretanto, testes indiscriminados para distúrbios raros como MOGAD aumentam o risco de resultados falso-positivos.”