Transtornos de Movimento Funcionais: quão complicados podem ser?

Os transtornos de movimento funcionais (TMF) são um desafio para o clínico. Podem ser definidos como movimentos incongruentes e inconsistentes com quadros orgânicos, com causas psicológicas nem sempre óbvias, acometendo até 26% dos pacientes admitidos em Serviços de Neurologia e com uma prevalência maior em mulheres (3-4:1).

Os quadros funcionais são considerados doença neurológica (DSM 5), pois invariavelmente necessitam da avaliação de um neurologista treinado no exame clínico e em contraprovas de funções motoras e seus correlatos neuroanatômicos, inviável em outras especialidades, como na Psiquiatria.