Uso de fluorescência com 5-ALA em biópsia estereotáxica de lesões cerebrais

Princípios

  • O uso de fluorescência com 5-ALA durante a biópsia estereotáxica de patologias intracranianas de comportamento incerto aumentou o rendimento diagnóstico de 74% para mais de 90% quando usada em conjunto com criosecções.

Por que isso importa

  • O ácido 5-aminolevulínico (5-ALA) é uma molécula fluorescente usada para orientar a ressecção cirúrgica de gliomas, mas também reage ao tecido de linfoma e de metástase cerebral; portanto, o 5-ALA é capaz de identificar três dos diagnósticos mais comuns de patologias intracranianas de comportamento incerto.

  • Usar 5-ALA durante a biópsia estereotáxica pode ajudar a aumentar a chance de se obter tecido útil para o diagnóstico sem elevar os riscos para o paciente.